Procuro Uma Sugestão

Neste espaço podem colocar as vossas procuras de sugestão de livros.

Um bookie irá responder com algumas sugestões e a escolha será vossa, quantas mais informações fornecerem sobre o que procuram, melhor será a sugestão.

 

Comments

Chega um momento na vida em que viver já não basta e precisamos nos conhecer melhor para podermos prosseguir.

Ana Cecília é uma pessoa tentando compreender melhor seus relacionamentos, sua sexualidade, sua espiritualidade.

Neste endereço é possível ler os dois primeiros capítulos da obra: https://artesaodaliteratura.blogspot.com/2019/04/a-c-primeiro-e-segundo-capitulos.html

Surgi brasileiro hereditário

O sangue Ibero-Lusitano

O sonhador-mor do país

Mãe de fazer bolos

Pai de trabalhar

Pai de dar conselhos

Mãe de trabalhar

Irmãos de não acompanhar

Amigos para acampar.

De Filosofia e de Letras

Lecionando

Nos trilhos urbanos

Canceriano

Sonhando além do quintal

Artesão

De livros

De textos

Da vida.                               

PREÂMBULO Toda a aldeia amanhecera festiva. O verde ondulante da mata contrastava com o límpido azul celestial do Firmamento. O movimento era intenso e colorido. Todos se preparavam para a grande festa da noite: a união do Filhudupajé com a Filhadumorubixaba. Todo o Povo da Floresta visível e invisível aos olhos humanos comuns estariam reunidos naquela noite para o grande acontecido. Todos se enfeitavam com apurado primor, pintando os corpos com tintas coloridas de tons vivos dos mais diversos matizes; adornavam-se com brincos, pulseiras e colares feitos de ossos, dentes de animais selvagens e penas de aves das mais exóticas; esotericamente. Era uma festa das mais solenes de todas as já vivenciadas naquela tribo. E isto era perceptível no ar, principalmente pelas crianças que já cresciam sabendo de uma hierarquia perfeita, cinematograficamente gravada nos neurônios do inconsciente coletivo. No centro do pátio, uma grande fogueira: os homens traziam a lenha cuidadosamente escolhida, própria para aquelas ocasiões solenes, e as mulheres ateavam fogo, enquanto entoavam hinos ditados diretamente pela Rainha da Floresta e que eram passados verbalmente de geração para geração e contavam a História daquela tribo, da criação do mundo, da raça humana, do universo; que coincidiam com a história de cada indivíduo. Ouviu-se durante todo o dia o rufar dos tambores, o trinar de flautas e o chichilhar de maracás. As crianças felizes corriam saltitantes. Era a alegria correndo solta no meio de todos. Aquele era o grande dia, aguardado pela mais Alta Hierarquia do Reino da Floresta. Era uma alegria solta e harmoniosa pela grande proteção do momento. Conforme o Sol ia se escondendo no azulão do céu, tingindo-o de frisos rosa e ouro, e a Grande Lua resplandecente ia surgindo do outro lado, cor-de-prata. O ambiente ia tomando um caráter cada vez mais solene. Tudo, tudo, tudo primorosamente preparado com grande antecedência pela Família Real. Pairou de repente um silêncio profundo e cada um foi tomando o seu lugar ao redor da grande fogueira crepitante, guardada por seres esguios, responsáveis pelo ofício sagrado. Usam capacetes e carregam uma grande lança na mão direita. Usam belas armaduras. São eles que protegem o templo dos ancestrais e o altar da Terra. São os seres condutores do sacrifício. O Pajé serviu primeiramente um chá que todos tomaram com grande respeito. Após o chá, depois de um certo tempo, o Pajé acendeu um enorme cachimbo e todos pitaram no mais profundo silêncio. Uma grande força envolveu todo o ambiente e transformou aquele simples pátio em um imenso salão dourado com colunatas de marfim, repleto de luz. De uma luminosidade transcendental. Todos os reinos estavam ali presentes naquelas Bodas: os gnomos, os silfos, as ondinas e as salamandras. Uma nave espacial pousou a alguns metros de distância e seres esbeltos participaram de dentro da nave, da Grande Cerimônia. São seres do espaço, responsáveis pela vida: concepção, gestação e nascimento. São seres Tantras, que habitam Jardins Siderais. Tudo acontecia agora em uma outra dimensão. Na dimensão da lenda, na dimensão da verdade.

carmo, josué geraldo botura do. A verdadeira história de Ymyayá: Lenda (Locais do Kindle 28-32).  . Edição do Kindle.

“A verdadeira história de Ymyayá” é uma obra existencialista, com influência do Tantra, do I Ching, do Santo Daime. É um livro escrito para cinema. Vejo-o como a minha obra prima. É um livro de ficção que conta a trajetória de um ser, desde o seu nascimento até sua ascensão, que foge do destino e cumpre a sua trajetória nas diferentes fases da existência.

Josué Geraldo Botura do Carmo

Obras do autor:

Contos: A verdadeira história de Ymyayá - A lenda da cidade de cristal - Banquete antropofágico - Trilogia (contos).

Poemas: Vida de arista - O destino acontece por acaso - O abecedário numerológico da magia - Trilogia (poemas)

Científicos: Gestão das mídias na educação - Gestão democrática na educação V.1 - Gestão democrática na educação V.2 - Africanidades - Filosofia da educação - Educação & Democracia - Novas tecnologias na educação - Pós-modernidade.

 

 

 

 

Despertar – O Renascimento, é o primeiro livro escrito por Renato A. Lima, e marca o início de uma série de ficção distópica. Mas afinal, o que é ficção distópica? Distopia representa a antítese da utopia, e pode ser conceituada como um lugar ou estado imaginário em que se vive em condições de extrema opressão, desespero ou privação. Deste modo, uma ficção distópica pode representar um mundo pós-guerra, totalmente destruído por armas nucleares, ou até mesmo um mundo pós-apocalíptico dominado por zumbis, monstros ou alienígenas.  

Mas na obra em questão não existem seres fantasiosos e assustadores, como zumbis nazistas almejando a volta e ascensão do Terceiro Reich, ou monstros sanguinários que se alimentam de carne humana. O livro se passa em um mundo pós-apocalíptico, e, assim como outros do gênero, explora a imensidão do vazio e da solidão, assim como outros temas mais “humanos” propriamente ditos.

Já no início do livro, nos deparamos com essa perspectiva, pois o protagonista, ao qual esqueceu suas memórias do passado (inclusive seu próprio nome), desperta de um longo sono após permanecer em estado criogênico dentro de uma cápsula, e um dos primeiros sentimentos que lhe atormenta é justamente o da solidão e do abandono. Logo, ele descobre que o lugar é chamado de Laboratório Cinco, ao qual pertence a uma corporação misteriosa chamada “Awakening”.

A partir deste ponto, a história se ramifica e se enche de mistério. Mesmo depois de 360 páginas, recheadas de personagens carismáticos, antagonistas abomináveis, reviravoltas espetaculares e lugares encantadores, muitas das dúvidas e questões relacionadas ao livro ainda permanecem em aberto.

Uma das questões do livro que chama a atenção é o medo do desconhecido que permeia entre os personagens, sempre caminhando entre eles como sombras na escuridão. É de se imaginar que, em um mundo desconhecido e aparentemente desolado, as pessoas passem a temer o que lhes cerca e o que elas desconhecem, e se tornem propensas a inventar crenças e superstições absurdas. Desta forma, criam-se brechas para a ignorância e a alienação, semelhante ao que ocorrera na Idade Média.

O livro aborda a alienação e o fanatismo religioso com ênfase, mostrando do que as pessoas são capazes de fazer quando tem suas crenças, que tratam com tanta devoção, perturbadas. Questões filosóficas e críticas sociais também são abordadas, temas como o existencialismo, a manipulação, a ganância, a moral e a ética.

Demorei aproximadamente quatro anos para finalizar a história, e publiquei com a Editora Viseu, tendo influências de vários autores e culturas distintas. Formado em História, introduzi várias referências historiográficas e filosóficas na obra, tornando-a um prato cheio, tanto para quem gosta de ficções e distopias em geral, quanto para quem gosta de livros científicos e de temáticas mais sombrias e realistas.

A versão física do livro “Despertar – O Renascimento” pode ser adquirida na página da Editora Viseu, no link:

https://www.eviseu.com/pt/livros/1216/despertar/